Home / Notícias Corporativas / Mitos e verdades da nutrição adequada para gatos

Mitos e verdades da nutrição adequada para gatos

Oferecer a melhor alimentação para os animais de estimação é uma das principais tarefas e, também, um desafio para os tutores. Quando empregamos uma nutrição ótima, podemos proporcionar um aumento da expectativa e qualidade de vida dos pets. Mas o que é uma nutrição ótima? É aquela com balanço perfeito de nutrientes, ou seja, não há nem excesso nem falta de nenhum tipo de nutriente na dieta, considerando para isso a fase da vida, porte e necessidades especiais dos pets. Os gatos, por exemplo, são animais que possuem suas particularidades quando se trata de alimentação, por isso é obrigatório levar em consideração as necessidades nutricionais próprias da espécie.

É normal que os tutores tenham dúvidas sobre a melhor forma de alimentar seu pet. O segredo para nutrição ótima dos gatos está no equilíbrio dos nutrientes, eles precisam de quantidades ideais de proteínas, gorduras, vitaminas e minerais em cada fase da vida. Alguns mitos e verdades sobre a alimentação dos gatos:

Os gatos são carnívoros, portanto, quanto mais proteína na dieta melhor?

Apesar de apresentarem maior necessidade nutricional por proteínas e aminoácidos, os gatos, assim como todos os outros animais, não armazenam o excesso de aminoácidos ingeridos. Toda quantidade maior do que o necessário é transformada em ureia e eliminada pela urina do animal. As proteínas, por mais digestíveis que sejam, não devem ser fornecidas em excesso, pois, quanto maior a sua inclusão, maior será a fermentação de aminoácidos no cólon, gerando compostos tóxicos ao organismo, o que também piora o odor das fezes. Moderar a proteína na dieta, de forma adequada, mantém a massa muscular, reduz a produção de toxinas urêmicas e compostos pró-inflamatórios, além de melhorar o equilíbrio da microbiota intestinal do gato.

Os gatos devem consumir apenas proteínas de origem animal?

O mais importante na alimentação dos gatos são as necessidades específicas por nutrientes e não por ingredientes. Então, desde que possuam alta qualidade, podem ser utilizadas fontes proteicas de origem animal e vegetal nas dietas dos felinos. Inclusive, o uso combinado de proteína de origem animal e vegetal pode proporcionar maior equilíbrio nutricional. Cada fonte possui sua característica, por exemplo, as proteínas de origem animal possuem alto valor biológico e são fontes de minerais, como cálcio e fósforo. No caso das proteínas vegetais, dependendo da origem, são ricas em aminoácidos essenciais específicos e contribuem para o equilíbrio de minerais da dieta, além de apresentarem fibras e prebióticos naturais, importantes para a saúde intestinal. 

Os carboidratos da dieta podem ser prejudiciais aos gatos?

Podendo ser divido em dois grupos – amido e fibras, os carboidratos têm funções distintas. Apesar de não serem nutricionalmente essenciais, o amido e as fibras apresentam funções importantes na produção e balanceamento das dietas e saúde intestinal do animal. Os gatos conseguem digerir muito bem o amido cozido e metabolizam a glicose absorvida. Ao contrário do que muitos imaginam, o consumo não possui efeitos adversos à saúde ou ganho de peso excessivo em gatos saudáveis. Oferecer a quantidade adequada e manter o balanço energético, faz toda diferença nas dietas que contém amido. 

Já as fibras possuem efeitos benéficos bem conhecidos, como auxílio no controle do peso, saciedade e formação das fezes. Além disso, as fibras também são importantes na modulação da microbiota intestinal (eubiose) e na produção de metabólitos, como ácidos graxos de cadeia curta, importantes à saúde intestinal e geral do organismo 

O equilíbrio nutricional é o ponto-chave da nutrição ótima

O excesso de nutrientes não necessariamente traz benefícios ao organismo. Pelo contrário, o ideal é manter o equilíbrio nutricional da dieta para cada fase de vida dos gatos. Aliado a isso, a suplementação de componentes-chave na dieta, como a vitamina E (alfa tocoferol), beta caroteno, zinco, ácidos graxos ômega 6 e 3, fibras e prebióticos, podem apresentar efeitos adicionais na prevenção de doenças e na melhoria da saúde e longevidade dos pets.

Claro, nem sempre os tutores vão saber a quantidade e porções ideais dos nutrientes que devem administrar aos gatos, por isso destacamos a importância de consultar a opinião dos especialistas para conseguirem alcançar o equilíbrio nutricional na dieta do pet.

Por Henrique Tobaro Macedo, médico veterinário e consultor de Assuntos Veterinários da Hill’s Pet Nutrition

About DINO

Check Also

Prod entra para o ranking de Melhores Empresas de Minas Gerais mais uma vez

No último dia 13 de junho, a Prod, agência de soluções digitais, entrou para o …