Home / Notícias Corporativas / Marcas investiram R$ 100 bi em experiências durante 2023

Marcas investiram R$ 100 bi em experiências durante 2023

Em 2023 o setor que reúne agências e fornecedores especializados na execução das ações sob o conceito “experiências de marcas” apresentou forte crescimento em relação a 2022. A pesquisa índice Promoview Yumpu publicada no site Live Marketing Magazine, apontou este crescimento e os investimentos neste tipo de ação de marketing que atingiram a casa dos R$ 100 bilhões de reais por parte das empresas que utilizam estas ferramentas para construção de marcas, produtos e serviços. 

A metodologia usada na pesquisa foi de entrevista via formulário com 100 agências do setor das regiões sul, sudeste e nordeste além de 20 entrevistas via call por amostragem com diretores de agências das mesmas regiões. As agências de SP foram divididas em grupo por faturamento até R$ 5 mi/ano, até R$ 20 mi/ano, R$ 50 mi/ano, até R$ 100 mi/ano e acima de R$ 100 mi/ano. As agências das demais regiões integraram um grupo único sem barreira de faturamento.

A publicação da pesquisa é do Anuário Brasileiro de Live Marketing, da plataforma Promoview, que atua neste setor desde 2006 e reúne os agentes responsáveis pela criação e execução de ativações e eventos corporativos, ações promocionais e outras atividades que envolvem experiências dos stakeholders com marcas nos mais variados ambientes desde o digital até o presencial.

Os números envolvem o investimento nas seguintes atividades:

Eventos corporativos, promocionais, estandes em feiras, ativações em festivais e outros incluem: investimento em cotas de patrocínio, compra de espaços (m2), aluguel do espaço (locais), projetos cenográficos, execução de projetos em marcenaria, projetos de arquitetura e de engenharia civil, eletrônica e digital, equipamentos de áudio, luz, captação de imagens e suítes de corte, painéis de LED, sistema de credenciamento, RSVP, serviços fotográficos, radiocomunicação, cenografia em marcenaria, mobiliário, paisagismo, VTs e reuniões diversas, alimentos e bebidas adquiridos no varejo ou retirados de estoques para degustação, recursos tecnológicos, geração de energia, despesas com neutralização de carbono, atrações artísticas, cachês artísticos, de staff, de promotores e recepcionistas, de produtores, tecnicos, assistentes, compra de brindes e gifts, limpeza, segurança, ECAD e seguros.
Não incluídos: bilhetes aéreos e despesas de deslocamento e hospedagem para convidados e participantes

Sorteios e concursos incluem: planejamento e criação de ação promocional ao consumidor na modalidade sorteio, “junte e troque”, “compre e ganhe” e outras desta natureza e incluem despesas de planejamento, criação, autorizações legais, aquisição de brindes e prêmios, recolhimento de impostos, compra de mídia, ferramentas de atendimento ao consumidor e logística.

Campanhas de incentivo incluem despesas com o uso de ferramentas, ações de motivação interna nas instalações das empresas, aquisição de prêmios materiais e despesas com grupos incluindo aéreo, transfer, hospedagem, alimentação, tickets para espetáculos e entretenimento e gastos eventuais.

De acordo com o site “Nosso Meio” o valor apurado é o maior desde que a medição foi iniciada pela AMPRO – Associação de Marketing Promocional em 2003, mas não surpreende os especialistas. Após ser totalmente paralisado em 2020, o segmento de ações promocionais e eventos, que dependia de aglomerações para ser realizado, ressurgiu ainda mais forte no pós-pandemia

“Os executivos de marketing perceberam a importância do brand experience para construção de marcas numa jornada que começa no on-line, mas que não funciona sem uma ação presencial. Por isso os investimentos em estruturas físicas dispararam”, explica Julio Feijó, editor do Anuário e diretor executivo da pesquisa. “As ativações presenciais aliadas ao digital formam o vetor de eficiência da nova comunicação”, continua o especialista da área de Live Marketing, que explica o fenômeno.

“A experiência ao vivo – que é o que todo mundo busca – é a melhor forma de marcas e produtos obterem atenção das pessoas para transmitirem seus valores. E o digital, principalmente pelas redes sociais, amplifica organicamente. É a tempestade perfeita”, explica Feijó.

Reportagem do site Meio&Mensagem mostra que os encontros “olho no olho” das marcas com as pessoas ocorrem nos mais diversos ambientes. Os exemplos mais recentes foram nos grandes festivais como o The Town onde os espaços das marcas viraram atrações à parte no ambiente dos shows.

Mas todas as ocasiões são aproveitadas. O calendário de eventos do Ministério do Turismo mostra que  o número de eventos e festividades cadastradas cresceu 254%, incentivando ações das marcas nos camarotes de carnaval, eventos esportivos e corporativos, que fidelizam e empoderam, nas promoções, que fazem o estoque girar, os programas de incentivo, que sinalizam prêmios desejados para equipes comerciais e/ou parceiros de negócio e mais uma infinidade de ações que envolvem stakeholders.

Tudo isso, junto ou separado, contribui diretamente para aquecer negócios, gerar vendas e sobretudo fidelizar consumidores. Para o especialista independentemente do formato, os eventos de todos os tipos, feiras de negócios, ativações e uma variedade imensa de atividades para visibilidade de marcas e interação com seus stakeholders voltaram com tudo neste último ano, o que gerou uma oferta de briefings como nunca se viu com as casas e espaços de eventos sem datas, camarotes em estádios com filas de espera além dos custos de serviços diversos e mão de obra com elevação acima dos 50%.

Mesmo assim Feijó vê um grande espaço para crescimento, mas alerta que o setor precisa de organização. “Uma indústria deste porte deveria ser melhor observada pelos contratantes e pelo governo. Do lado dos contratantes, vemos clientes realizando concorrências predatórias, distante dos conceitos de ESG. E do outro, uma legislação que desfavorece a atividade que emprega milhões de pessoas em todo o país”, completa Feijó, sugerindo mais interação entre os agentes do mercado. “O melhor caminho é a soma de esforços e um diálogo mais amplo para melhorias deste mercado que deve dobrar de tamanho nos próximos quatro anos”, conclui.

Para mais informações sobre a pesquisa e os números acesse a edição digital do Anuário Brasileiro de Live Marketing.

About DINO

Check Also

Mercado de importação de pedras naturais segue em expansão

Nos últimos anos, as importações de pedras naturais para decoração e construção têm experimentado um …