Home / Notícias Corporativas / Vendas no varejo devem crescer pelo menos 5% no Natal

Vendas no varejo devem crescer pelo menos 5% no Natal

Resultados recentes de um levantamento feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) preveem crescimento de, no mínimo, 5% nas vendas de Natal realizadas pelo setor varejista neste ano em comparação com o ano anterior. Caso a previsão se concretize, as vendas de 2023 serão as maiores dos últimos 10 anos.

De acordo com dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada no início de novembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor do varejo fechou o terceiro trimestre do ano com uma alta de 1,3% nas vendas com relação às do trimestre anterior. Ainda segundo a pesquisa, esse aumento foi maior que os registrados no mesmo período de 2021 e 2022.

As expectativas de crescimento fizeram com que a previsão da CNC para as vendas do varejo em 2023 passasse de 2% para 2,4%.

Para Danilo Miranda, editor do site Presenteverso, que é especializado em oferecer guias de presentes aos consumidores, tais estatísticas refletem a resiliência do setor varejista nacional. “Essa alta está sendo impulsionada pela desaceleração dos preços, pela tendência de queda dos juros e pela valorização cambial, o que facilitou a ampliação das importações”, avalia.

Oportunidades à vista

Danilo Miranda, especialista em psicologia do consumidor e em tendências de mercado, acredita que o cenário econômico positivo tem resultado no aumento da confiança do consumidor, que tem se mostrado mais disposto a presentear, e isso abre oportunidades para o setor de presentes.

Denominado “Expectativas da Temporada de Compras 2023”, um levantamento realizado em setembro pela empresa de tecnologia Meta revelou que 75% dos entrevistados pretendem pesquisar e adquirir produtos de diferentes categorias. Entre as categorias mais citadas estão alimentos (73%); saúde e beleza (60%); aparência e moda (58%); eletrônicos (57%); eletrodomésticos (55%) e brinquedos (46%).

Além disso, uma pesquisa da CNDL indica que 44% dos consumidores pretendem dar presentes de natal para seus companheiros, 48% para as mães e 60% para os filhos.

O editor do Presenteverso sugere algumas medidas aos lojistas que desejam aproveitar ao máximo o potencial de crescimento do setor de varejo. “A recente queda do dólar, embora ainda tímida, pode ser vista como uma oportunidade para diversificar e enriquecer o portfólio de produtos, especialmente com itens importados.”

Outros pontos que merecem ser considerados pelas empresas, segundo Danilo Miranda, e incluídos em suas estratégias de marketing, são a sustentabilidade e a responsabilidade social. “Os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre questões ambientais e sociais. Por isso, oferecer produtos sustentáveis e adotar práticas comerciais éticas pode não só os atrair como também reforçar a imagem da marca a longo prazo.”

Compras de última hora

De acordo com a pesquisa da Meta, 87% dos entrevistados pretendem deixar para fazer as compras de fim de ano em uma data mais próxima do Natal. No ano passado, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), as vendas na semana natalina (entre 19 e 25 de dezembro), incluindo o comércio eletrônico e o presencial, cresceram 10,5% em relação ao mesmo período de 2021.

Danilo Miranda ressalta a necessidade de as empresas aproveitarem o momento para fazer investimentos em estratégias de marketing eficazes e garantir ao consumidor uma experiência de compra excepcional, tanto online quanto em lojas físicas. “É importante beneficiar-se deste período de alta demanda para atrair e reter clientes”, acentua.

About DINO

Check Also

Brindes: marketing promocional é opção para empresas do país

Os tópicos “Crescimento das vendas” e “atração de clientes” estão entre os principais desafios dos …