Home / Notícias Corporativas / Surto de dengue acende alerta para cuidados com piscinas

Surto de dengue acende alerta para cuidados com piscinas

O Brasil registrou mais de 2 milhões de casos de dengue em 2024, segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados pela Agência Brasil. De acordo com o levantamento feito em março pelo Ministério da Saúde, o país já ultrapassou o total de 2.010.896 casos prováveis de dengue. Além disso, foram registrados 682 óbitos por conta da doença, que ainda tem 1.042 mortes em investigação. Com isso, o coeficiente de incidência está em 990,3 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

O primeiro trimestre de 2024 registrou mais casos graves de dengue do que em todo o ano de 2023, quando foram contabilizados pouco mais de 1,6 milhão de casos, conforme dados citados pela secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde, Ethel Maciel. No ano passado, 1.094 pessoas perderam a vida para a doença no país e outras 218 mortes estão sendo investigadas.

Dentro desse contexto, há diversos pontos de atenção que devem ser reforçados para a população em relação ao tratamento de águas paradas, inclusive em piscinas. 

Para Ronaldo Vieira Rodrigues Junior, gerente técnico da BAUMINAS Hidroazul – indústria de produtos químicos voltados para o tratamento de água de piscinas -, os brasileiros devem redobrar os cuidados que devem ser tomados para evitar a proliferação de mosquitos da dengue em piscinas.

“A limpeza física da piscina deve ser realizada semanalmente. Isso inclui a remoção de folhas, insetos e outras sujeiras visíveis”, afirma.

Segundo Ronaldo, também é importante realizar a escovação das paredes e do fundo da piscina para remover sujeiras depositadas que podem se tornar alimentos para as larvas do Aedes Aegypti. “O acúmulo que fica nas bordas precisa de atenção e pode ser facilmente retirado com o auxílio de um limpa bordas e uma esponja macia”.

De acordo com Ronaldo, a filtração também precisa ser realizada semanalmente e os parâmetros mantidos equilibrados. “Durante as estações mais quentes, a atenção deve ser redobrada quanto a cloração, porque, nos dias com sol intenso, o cloro se degrada mais rápido”, adverte.

Para o gerente técnico da BAUMINAS Hidroazul, as opções mais indicadas são o cloro granulado e o uso de pastilhas de cloro em flutuador para manutenção. “O cloro precisa manter o nível entre 1-3 ppm. Quando o pH está na faixa ideal entre 7,4 -7,6, o cloro apresenta maior poder desinfetante na água”, explica.

Cuidados com a piscina devem permanecer no outono

Ronaldo destaca que, mesmo com a chegada do outono, o calor permanece em grande parte do país e isso aumenta os casos de doenças como dengue e zika [vírus].

“Essas doenças [dengue e zika vírus] se proliferam em piscinas sem tratamento, que viram criadouros de larvas. O índice de pessoas infectadas por essas doenças têm levado estados a decretarem situação de emergência, já que os hospitais não suportam a demanda”, afirma.

Para concluir, o profissional ressalta que até mesmo piscinas com tratamento alternativo precisam do cloro para que esse tratamento seja, de fato, seguro e a água liberada com segurança para os banhistas. “Cuidando das piscinas, a população controla a proliferação de doenças. Mesmo quando as temperaturas amenizarem, esse cuidado precisa permanecer”, ressalta.

Para mais informações, basta acessar: https://hidroazul.com.br/

About DINO

Check Also

STF amplia licença-maternidade para trabalhadoras autônomas

Uma nova decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) ampliou, por seis votos a cinco, o …