Home / Notícias Corporativas / Pacientes com prótese no quadril retomam atividade física com qualidade de vida

Pacientes com prótese no quadril retomam atividade física com qualidade de vida

Um estudo recente, publicado em junho deste ano na revista internacional Bone & Joint Open, mostrou que 94% das pessoas que passaram pela cirurgia de prótese total do quadril, mantiveram ou aumentaram a qualidade na prática do golfe, enquanto apenas 1,7% não puderam voltar à atividade esportiva.

A cirurgia de artroplastia do quadril, ou prótese total do quadril, é um procedimento utilizado no tratamento da artrose do quadril, displasia, osteonecrose, lesões de cartilagem, doenças inflamatórias e reumáticas, e algumas fraturas do quadril.

A cirurgia consiste na substituição da articulação do quadril por componentes metálicos, de polietileno e de cerâmica, com o objetivo de restabelecer uma articulação com bom movimento e melhora da dor, melhorando a qualidade de vida do paciente.

Segundo o médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho e quadril, Thiago Fuchs, uma das maiores preocupações dos pacientes que têm uma vida ativa no esporte é se poderão retomar as atividades após a colocação da prótese.

“Algumas práticas esportivas não só podem como devem estar presentes no dia a dia das pessoas que fizeram a artroplastia. A caminhada, musculação, bicicleta, pilates, natação e o próprio golfe são atividades de baixo impacto e que podem ser praticadas após a colocação da prótese. Já as atividades mais intensas, com alto impacto, contato físico e de grande mobilidade devem ser individualmente discutidas com o médico responsável pela cirurgia do paciente, analisando cada caso, qualidade óssea e muscular, perfil do paciente e tipo de prótese”, explica Thiago. 

A pesquisa também apontou o percentual referente ao tempo de retorno à prática do golfe, sendo que em 23,5% dos casos os pacientes retomaram as tacadas de ferro em seis semanas e 80% retornaram às competições de clubes após seis meses. 

Esse é o caso do comerciante Paulo Affonso Borrelli Barbosa, que aos 60 anos de idade retomou as atividades físicas com o golfe após a artroplastia. 

“Eu sempre fui muito ativo no esporte. No golfe sou um jogador de nível mediano, e desde que coloquei a prótese no quadril não vejo nenhuma diferença nas tacadas e não sinto mais dor”, conta Paulo que quebrou o lado direito do quadril em uma queda enquanto jogava raquetinha na praia. “Para retomar este tipo de exercício, junto com o padel, terei que esperar mais um pouco, mas seguindo as orientações médicas tenho certeza que vai dar certo”, diz Paulo. 

Retorno gradual e melhora da qualidade de vida

O médico ortopedista explica que a retomada das atividades deve ocorrer gradualmente, sempre de acordo com os limites de cada paciente e respeitando fatores como força, equilíbrio, caminhada normalizada e ausência de dor.

“Pessoas que têm uma vida ativa no esporte tendem a ter uma recuperação mais rápida após a colocação da prótese no joelho ou quadril. Cada esporte tem suas particularidades, e alguns, de maior impacto, merecem cuidados extras. No geral, os pacientes conseguem retomar às práticas esportivas que estão acostumados e ganham muita qualidade de vida”, explica Thiago. 

No caso do Gilson Gonçalves foi justamente a intensa prática de exercícios físicos que provocou o desgaste das articulações do quadril, a artrose do quadril . 

Durante 9 anos ele manteve uma rotina de 40 km de corrida por dia, além de musculação, treinos com o time de basquete do qual fazia parte e as provas de 100 km que participava como ultramaratonista. Quando as dores começaram, Gilson conta que não conseguia nem colocar a meia no pé. “Depois da lesão, minha vida ficou ruim. Eu não conseguia andar, não conseguia colocar a sunga para ir à praia, não conseguia treinar nem andar de bicicleta. Eu não tinha flexibilidade, era muita dor e eu só andava mancando”, relembra Gilson, que fez a  cirurgia para colocação da prótese no quadril em março de 2021. 

A artrose do quadril – desgaste na articulação do quadril, que fica entre o fêmur e a bacia, na região da virilha – também pode afetar esportistas e pacientes jovens, reduzindo a mobilidade e a qualidade de vida.  Existem basicamente dois tipos de artrose de quadril: a primária, que pode estar relacionada à genética ou ao envelhecimento, e a secundária, que ocorre por uma causa específica, como uma fratura, uma deformidade como o impacto femoroacetabular e a displasia do quadril, a osteonecrose e as alterações inflamatórias como as doenças reumáticas.

O médico explica que no caso do Gilson, o indicado foi a prótese de resurfacing. “Nesse tipo de artroplastia,  a cabeça do fêmur é revestida com uma cobertura metálica, e não removida como no implante tradicional. Entre os tipos de artroplastia total do quadril, essa é a que apresenta um baixo risco de luxação (deslocamento), sendo indicada principalmente para pacientes jovens com artrose de quadril, e que desejam manter a prática de atividade física intensa e que exigem mobilidade”, afirma.

Após 1 ano e 5 meses desde a cirurgia, Gilson mantém a mesma rotina de exercícios, agora com menor intensidade e sem dor. “O que me motivou a colocar a prótese foi ter uma vida melhor e poder praticar esporte. Mesmo que ainda não fosse de alto rendimento como era antes, pelo menos que eu conseguisse andar, dar uma pedalada e trotar na praia para manter o peso e o corpo. Hoje eu corro cerca de 12 km por dia, subo morro, e não sinto dores. Tenho 52 anos de idade e ainda jogo na seleção brasileira master de basquete. Minha vida voltou ao que era antes e sem dores”, finaliza.

About DINO

Check Also

Empresa explica sobre como evitar a queda de tensão

A queda de tensão é um problema que pode causar diversos transtornos para a instalação …