Home / Notícias Corporativas / Prática de beach tennis exige preparo físico, diz ortopedista

Prática de beach tennis exige preparo físico, diz ortopedista

Esporte que foi criado na província de Ravena, na Itália, na década de 1980, o beach tennis (tênis de praia, em português) desembarcou nas praias do Rio de Janeiro (RJ), em 2008. Desde então, a atividade ganhou adeptos de todo o país e, segundo a CBBT (Confederação Brasileira de Beach Tennis), já conta com mais de 500 mil praticantes.

De acordo com a entidade, o esporte – que reúne características do vôlei de praia, tênis e badminton – ganhou ampla adesão durante a pandemia de Covid-19, quando as autoridades de saúde passaram a recomendar a prática de atividades físicas ao ar livre e que não exigissem o contato físico. Com isso, só no estado de São Paulo, o número de quadras para a prática do beach tennis dobrou desde 2020, passando para mais de 900.

Em entrevista à Veja Saúde, o diretor da CBBT, Jorge Bierrenbach, afirmou que, mesmo sem jogos e eventos, a entidade deu um salto de 2500 atletas cadastrados para 5500 ao longo da crise sanitária.

Apesar de parecer um esporte fácil, é necessário um alto preparo físico para a prática de beach tennis, principalmente contando com a ajuda de um profissional. A afirmação é do Dr. Marco Aurélio S. Neves, ortopedista especialista em cirurgia do quadril e joelho que atua nos hospitais Sírio-Libanês e Moriah, em São Paulo (SP).

Segundo Neves, o condicionamento físico é importante para a prática de beach tennis, pois pode evitar possíveis contusões no joelho e no tronco. “E a rotação de tronco é importante para melhorar o condicionamento físico para a prática do esporte”.

Ele conta que tanto o forehand quanto o backhand, os dois movimentos mais importantes do tênis e do beach tennis, são controlados pela rotação do tronco. “Assim, é essencial contar com o acompanhamento de um profissional para a orientação adequada da prática do esporte”, diz Neves.

O especialista também explica que os chamados “atletas de final de semana” – como são chamadas as pessoas que fazem caminhadas, jogam futebol ou praticam outros esportes com baixa regularidade -, frequentemente se queixam de dores musculares.

“Pessoas que praticam atividades físicas apenas de um a dois dias por semana mostram dificuldades ao realizar atividades comuns, como se agachar e sentir suas pernas mais firmes ao caminhar”, afirma Neves.

Segundo o ortopedista especialista em cirurgia do quadril e joelho, isso [complicações pós-treino] acontece porque esses atletas ficam um período muito longo sem treinar e, ao voltar a se exercitar no sábado e no domingo, acabam ficando mais expostos a lesões complexas. “E isso não seria diferente com o beach tennis, portanto, é necessário redobrar os cuidados ao praticar um ‘esporte da moda’”, explica Neves.

Para mais informações, basta acessar: https://drmarcoaurelio.com.br/

About DINO

Check Also

Pesquisa revela que maioria dos brasileiros estava com sobrepeso em 2021

Uma pesquisa realizada pelo Vigitel, revelou que, em média 57,25% da população do Brasil estava …