Home / Notícias Corporativas / E-commerce é opção para jovens que desejam empreender

E-commerce é opção para jovens que desejam empreender

Unir estabilidade financeira e qualidade de vida pode ser uma combinação desafiadora, mesmo assim alguns jovens mantêm o desejo de ter um negócio próprio. De acordo com um levantamento realizado em 2021 pela plataforma Hero Spark, 60% dos jovens querem ter um negócio próprio no futuro. Ainda segundo a pesquisa, os entrevistados apresentaram outros desejos em comum: independência financeira (67%), autonomia no trabalho (33%), tempo flexível (33%) e oferecer um produto/serviço inovador no mercado (31%).

Segundo um estudo realizado pela empresa NeoTrust, em 2021 o e-commerce brasileiro registrou faturamento de R$ 161 bilhões, uma alta de 26,9% em relação a 2020. Os dados também mostram que, para 2022, o segmento deve faturar 9% a mais que no ano anterior.

Empreender no formato digital requer custos baixos e possui uma ampla gama de possibilidades: desde alimentação e bebidas a peças de vestuário. Para o CEO da empresa Tshirteria, Guilherme Felício, o mercado para esse tipo de produto pode ser fortemente influenciado também pelas redes sociais. “Além de boas ofertas, o novo padrão de cliente também busca informações mais detalhadas sobre as mercadorias que está adquirindo, como o modelo de negócio e a história da empresa. Tais aspectos devem ser considerados nas estratégias de marketing, assim como a produção de conteúdo voltada para o público-alvo”, afirma.

De acordo com os dados do Site Cupom Válido, o fator preço ainda exerce grande influência nos hábitos de consumo do brasileiro na hora de comprar roupas. 38% dos entrevistados determinaram o preço baixo como principal fator de decisão, a variedade de produtos está em segundo lugar e qualidade em terceiro. Para a CEO Thaynna Alves, da marca La mell store, uma das principais características do mercado virtual hoje é a sua forte ligação com as redes sociais, de tal forma que está alterando o padrão de consumo das pessoas. “Eu acredito que a persona deste mercado está deixando de comprar simplesmente produto por produto e busca cada vez mais o relacionamento entre pessoas, em uma busca por experiência e pela necessidade de fazer parte de uma comunidade. Dessa forma, é muito importante ter consciência de que não se trata simplesmente de um produto ou uma marca, mas sim de entregar uma personalidade”, afirma.

Aliado a isso, complementa Guilherme Felício: as empresas devem investir no cenário digital. Um levantamento realizado pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) mostra que o WhatsApp, Instagram e Facebook são as principais ferramentas de tecnologia dos pequenos empresários. “Atingir os resultados comerciais requer a busca constante por informações sobre o nicho empreendedor em que se pretende atuar, além de conhecimento burocrático para estruturar esse negócio”, finaliza Guilherme.

About DINO

Check Also

Brasil tem aumento de cirurgias plásticas em homens

Buscando melhorar aspectos do rosto e corpo, o bem-estar e a vaidade, o público masculino …