Home / Notícias Corporativas / Casos de insuficiência cardíaca pioram com uso incorreto de remédios

Casos de insuficiência cardíaca pioram com uso incorreto de remédios

Segundo estudo apresentado em congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC), no portal IstoÉ Dinheiro, a interrupção na utilização de um ou mais remédios prescritos para pacientes de insuficiência cardíaca está associada a 30% dos casos de piora do quadro. O estudo conta com dados de 51 hospitais públicos e privados de 21 cidades do país, demonstrando que, aproximadamente, 50% dos pacientes com a síndrome não recebem orientações a respeito da utilização correta da medicação. O levantamento ainda destaca a elevada mortalidade intra-hospitalar.

As infecções também foram responsáveis pela piora do quadro em 23% dos casos. Na sequência, arritmias cardíacas (12,5%) e o crescimento da ingestão de água e sódio (8,9%). A taxa de mortalidade foi de 12,6%, superando o dobro localizado em registros europeus e americanos. Conforme os responsáveis pela pesquisa, a adesão ao tratamento não pode ser de responsabilidade apenas do paciente. “É necessário que ele receba instrução apropriada sobre uso correto das medicações e que seja orientado sobre como reconhecer piora dos sintomas e sobre consultas futuras. No entanto, só pouco mais de 50% dos pacientes recebem orientações sobre o uso das medicações, e 44%, sobre identificação de sintomas e consultas futuras”, explica o superintendente de Ensino e Pesquisa do Hospital do Coração (Hcor).

O superintendente também ressalta que há espaço para aperfeiçoar a assistência a pacientes internados com a doença cardíaca. “Há a expectativa de que recursos como aplicativos que recebam dados do paciente (como peso e pressão arterial) e do uso de medicamentos e gerem recomendações de procura por atendimento médico possam melhorar a qualidade de vida e sobrevida de pacientes com insuficiência cardíaca”, afirma.

Segundo informações consideradas na análise, a insuficiência cardíaca é uma das causas centrais de internação hospitalar na América do Sul. Em 2020, segundo o DataSUS, do Ministério da Saúde, a insuficiência cardíaca foi a causa de 27.775 óbitos no Brasil.

70% das pessoas tomam remédios para emagrecer sem prescrição médica

Ainda sobre medicamentos, o que envolve medicamentos especiais e oncológicos, por exemplo, segundo pesquisa realizada pelo instituto Real Time Big Data, no portal Folha Vitória, cerca de 70% das pessoas que tomam remédios para emagrecer não têm prescrição médica e consideram orientações de amigos ou parentes. A pesquisa também mostrou que, a cada 100 brasileiros, ao menos sete já utilizaram algum tipo de medicamento para perda de peso. Na região Norte do Brasil, o número quase triplica, alcançando 25% das pessoas. O público proeminente é o feminino.

About DINO

Check Also

Autor do Sertão da Bahia lança obra de romance contemporâneo

O autor Mateus Ântoni Rúbia lança no dia 14 de março, dia de nascimento do …