Home / Notícias Corporativas / Recurso é utilizado pelos motoristas contra multas indevidas

Recurso é utilizado pelos motoristas contra multas indevidas

Nem sempre o órgão de trânsito que realiza uma autuação está isento de cometer erros. Esses são um dos motivos que levam à aplicação de multa indevida. São muitos os casos registrados pelas empresas de recursos em que ficam bastante claras as falhas cometidas pelos órgãos, desde o momento em que o agente de trânsito registra a infração até a hora em que o condutor é notificado em seu endereço.

Muitos condutores acabam efetuando o pagamento da multa de trânsito recebida, mesmo não lembrando se realmente cometeram a infração de trânsito. O grande problema nesses casos é o acúmulo de pontos na CNH que pode levar a suspensão do documento de habilitação.

“De nada adianta pagar a multa de trânsito sem estar atento ao número de pontos somados ao documento de habilitação”, alerta Gustavo Fonseca, CEO/diretor/fundador da Doutor Multas. Isso porque, de acordo com a legislação, ao atingir 20, 30 ou 40 pontos na CNH, em um período de 12 meses, um processo de suspensão da CNH deverá ser aberto contra o motorista. Essa determinação está presente no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o qual também determina que, dependendo da infração cometida, a suspensão deverá ser de 2 a 12 meses.

Por isso é tão importante estar atento às leis, para identificar quando uma multa é injusta e saber como agir para resolver o problema. Segundo Gustavo, alguns motivos fazem com que a multa de trânsito recebida pelo motorista seja indevida. “Muitas dessas razões dizem respeito aos erros cometidos pelos órgãos de trânsito que fiscalizam o fluxo de veículos no Brasil”, conta o diretor da Doutor Multas.

Não são apenas os condutores que devem seguir algumas regras ao assumir o volante. Os órgãos executivos de trânsito, presentes em todos os estados do país e no Distrito Federal, devem também cumprir algumas exigências. Principalmente no momento da aplicação da multa de trânsito. Essas exigências são necessárias não apenas para controlar as atitudes dos motoristas e pedestres, mas também para manter a segurança no trânsito.

Por isso que o Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), órgão máximo executivo do Sistema Nacional de Trânsito (SNT), tem sede em todos os estados, como é o caso do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN). Para que a fiscalização aconteça, é dado aos estados o poder de criar políticas que melhorem o fluxo de veículos e de pessoas no território que corresponde a sua federação. Entretanto, todo órgão deve obedecer ao que estabelece o CTB, ou seja, deve criar suas leis tendo como base aquilo que o Código determina.

“O art. 280 do CTB é responsável por descrever os itens obrigatórios em um auto de infração. Os componentes fundamentais do auto lavrado pelo agente fiscalizador são: tipificação da infração, local, data e hora em que a infração foi cometida, caracteres da placa do veículo, bem como sua marca e espécie, e demais elementos necessários para a identificação do veículo, prontuário do condutor, quando for possível, identificação do órgão e da autoridade, do agente, ou do equipamento que comprovar a infração, assinatura do infrator, quando possível”, explica Gustavo Fonseca.

O recurso de multas é uma via de mão dupla, ao mesmo tempo em que é utilizado para que seja feita a defesa do motorista, o recurso também é uma maneira de elucidar os órgãos de trânsito sobre os problemas enfrentados diariamente nas vias públicas do país.

About DINO

Check Also

Toxina botulínica pode prevenir envelhecimento do pescoço

Uma análise feita por pesquisadoras do Centro de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Oswaldo Cruz concluiu …